Operar na auto-estrada…

PARA TODOS OS QUE OPERAM NA INFRA-ESTRUTURA - REFLECTIREM!

 

Funcionário da Brisa removia sinais de alerta de outro despiste.

 

A vítima mortal foi um funcionário da Brisa, de 32 anos, que estava a remover a sinalização de um primeiro despiste…

 

http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1461041&seccao=Norte

 

Funcionário da Brisa colhido.

 

Um funcionário da Brisa sofreu ferimentos graves, depois de ter sido colhido por um automóvel que se despistou, na A3, em Águas Santas - Maia…

o mecânico da Brisa, de 42 anos, que se encontrava de serviço num local onde momentos antes tinha ocorrido outro acidente

 

No mês passado ocorreu um caso semelhante, mas na A4, em Valongo.

O despiste de um automóvel causou quatro feridos, um deles, funcionário da Brisa, que, na altura, se encontrava a sinalizar um outro acidente.

 

http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=578189

 

Funcionário da Brisa morre em colisão com autocarro na A1

 

... na sequência de uma violenta colisão na Auto-estrada do Norte (A1), junto a Vila Franca de Xira, e que envolveu uma viatura da Brisa e um autocarro de passageiros….

 

http://jn.sapo.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?Distrito=Lisboa&Concelho=Vila%20Franca%20de%20Xira&Option=Interior&content_id=1325975

 

Agente da PSP atropelado mortalmente junto às obras no Túnel do Grilo.

 

"O agente da divisão de trânsito estava de serviço ao pé das obras junto ao Túnel do Grilo, quando foi atingido mortalmente por um carro... 

 

http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/9967318.html

 

Um condutor atropelou mortalmente uma trabalhadora da auto-estrada.

 

Vítima da A2 já tinha escapado a outro atropelamento na estrada.

Vanda não tinha carta de condução e pouco sabia sobre regras de trânsito, mas, mesmo assim, era ela que muitas vezes pegava na raqueta para alertar os automobilistas que havia trabalhos na estrada.

 

http://dn.sapo.pt/inicio/interior.aspx?content_id=1133366

 

Duas mulheres morreram terça-feira à tarde na auto-estrada do Norte - A1.

 

Uma das vítimas, residente em Penela, efectuava trabalhos de limpeza de vegetação na auto-estrada, a cargo da empresa Calado & Duarte.

 

http://jn.sapo.pt/paginainicial/interior.aspx?content_id=981843

 

Carrinha efectuava trabalhos na A8.

 

"A carrinha estava na berma da auto-estrada em trabalhos de manutenção do revestimento vegetal e encontrava-se sinalizada em cumprimento de todas as regras quando um camião a arrastou…

 

http://www.publico.pt/Local/torres-vedras-carrinha-que-efectuava-trabalhos-na-a8-estava-sinalizada_1336111

 

Funcionário da Brisa morre atropelado nas portagens de Coina.

 

... o funcionário, de 60 anos, atravessou «inadvertidamente» uma Via Verde da portagem, no sentido do IC-21 para a A-2, e o veículo de pesados o atropelou.

 

http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Sociedade/Interior.aspx?content_id=63861

 

Funcionário da Brisa morre atropelado em plena portagem.

 

Condutor vinha no sentido Norte/Sul, queria ir pelo corredor da Via Verde mas entrou pela passagem normal e não parou.

 

http://www.diariocoimbra.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=3452&Itemid=111

 

Primeiro de Janeiro 8 Julho 1997 Setúbal.

 

Sérgio Guerreiro Mendes, portageiro, está internado no hospital de Outão sem o baço e com fracturas múltiplas.

Foi atropelado de madrugada de 31 de Maio, no seu local de trabalho, por um motociclista que “passava sem pagar”.

Felizmente está vivo e pode exercer funções como operador de comunicações na empresa.

 

Uma funcionária da Brisa atropelada na Via Verde.

 

… Ficou gravemente ferida ao ser atropelada quando atravessava a faixa da Via Verde no nó de acesso da A23 à A1 em Torres Novas…

 

http://diario.iol.pt/sociedade-nacional/via-verde-atropelamento-estrada-torres-novas-tvi24/1056790-4555.html

 

Brisa garante apoio a famílias de funcionários atropelados.

 

A Brisa garantiu que irá apoiar a família do funcionário da empresa de 32 anos que morreu vítima de atropelamento, quando se encontrava a reparar sinalização na auto-estrada A4, entre Amarante e Porto.

 

Segundo a GNR, o atropelamento aconteceu quando o funcionário estava a recolher a sinalização que havia sido colocada na auto-estrada depois de ali ter ocorrido o despiste de uma viatura.

 

… a concessionária diz que os seus funcionários dispõem de "extensa formação teórica e prática, com o objectivo, não só de prestar a melhor assistência e protecção aos acidentados, como também garantir a própria segurança"…

"circunstâncias dos acidentes de tráfego são extremamente complexas e imprevisíveis, havendo sempre factores impossíveis de antecipar"…

"Os acidentes de trabalho, com ferimentos, felizmente, são menos frequentes do que aquilo que o risco inerente à actividade na operação rodoviária poderia deixar antecipar, e são resultado da acção continuada de prevenção e de formação"…

 

http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1465490

 

ACIDENTES DE VIAÇÃO, SÃO CAUSA DE ENFERMIDADE PÙBLICA EM PORTUGAL.

 

Por dados de 2008, poderá verificar-se que Agosto foi o mês mais mortal, seguido de Novembro e igualmente os meses com mais mortos nos anos anteriores. Os acidentes mais fatídicos aconteceram ao Domingo, seguido o Sábado e Sexta-feira respectivamente, tendo ainda a maioria dos acidentes graves ocorrido entre as 18 e as 21h.

 

Acidentes de trabalho

 

Os acidentes de trabalho provocam mais mortes que conflitos armados, catástrofes naturais ou pandemias, indicam números divulgados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

 

Em Portugal, não se conhecem dados que permitam conhecer com rigor, a realidade dos riscos profissionais.O que se sabe, é que no nosso país o número de acidentes corresponde a cerca de 8%, enquanto a média dos países europeus é de 4%.

 

São dados como estes que reforçam o direito do trabalho em segurança e que o tornam uma questão central á luz da Constituição.

Direitos que passam pelo respeito aos trabalhadores, especialmente, quando estes no seu desempenho profissional tiverem que garantir a segurança de terceiros.

 

Não podem esses direitos deixar de prevalecer sobre outros bens e valores, como a rentabilidade ou a racionalidade económica, ou seja, a chamada “optimização” de meios, afectos aos serviços que tiverem por missão as melhores práticas no âmbito da segurança rodoviária.

 

Quando são denunciadas práticas que podem por em causa a segurança no trabalho ou a segurança rodoviária, como a um Conselho de Administração, uma Autoridade de Segurança Rodoviária, um Instituto que tenha por missão a fiscalização de infra-estruturas rodoviárias ou, à Inspecção de Trabalho, não poderiam essas denúncias ficar sem uma resposta eficaz.

 

Pela manifesta inoperância das instituições e da total incapacidade de uma actuação transversal, inevitavelmente só o recurso para Tribunal como última instância para situações em que resulte acidente grave.

 

Em qualquer actuação em que decorra movimentação de trânsito, deverá estar uma autoridade policial para que se cumpra o código da estrada e a lei (Lei 24/2007, de 19 de Julho).

  

Existem pessoas que não têm verdadeira consciência do carácter que se reveste determinadas actividades. Outras ainda, julgam poder obrigar alguém a violar os deveres a que está obrigado ou a não cumprir a lei.

 

Constituição da República Portuguesa

 

Artigo 18.º (Força jurídica)

 

1. Os preceitos constitucionais respeitantes aos direitos, liberdades e garantias são directamente aplicáveis e vinculam as entidades públicas e privadas.

 

Artigo 21.º Direito de resistência

 

Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias e de repelir pela força qualquer agressão, quando não seja possível recorrer à autoridade pública.

 

Artigo 58.º Direito ao trabalho

 

1. Todos têm direito ao trabalho.

2. Para assegurar o direito ao trabalho, incumbe ao Estado promover:

c) A formação cultural e técnica e a valorização profissional dos trabalhadores.

 

Artigo 59.º Direitos dos trabalhadores

 

1. Todos os trabalhadores, sem distinção de idade, sexo, raça, cidadania, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, têm direito:

c) A prestação do trabalho em condições de higiene, segurança e saúde;

 

 

"O trabalho não pode ser uma lei sem ser um direito" Victor Hugo

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Oficial de mecânica às 00:09 | link do post | comentar