Carta Europeia de Segurança Rodoviária...

General da GNR quer alterações na área do Trânsito

 

O novo comandante da Guarda, que chegou à instituição há cinco anos, para comandar a então Brigada nº 2, não especificou quais as mudanças, mas já então não escondeu da hierarquia a discordância de algumas das alterações que estavam a ser preparadas para a nova Lei Orgânica.

Daí que duas das suas principais prioridades sejam a reavaliação da nova estrutura do Trânsito da GNR, surgida com a extinção da BT, assim como dos efeitos da extinção da Brigada Fiscal.

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Nacional/Interior.aspx?content_id=1758155

 

Novo comandante-geral quer avaliar resultados da reforma na GNR

 

A maior Associação da GNR, considera que Newton Parreira tem muito trabalho pela frente.

Entre vários problemas que identifica, a Associação Socioprofissional dos Profissionais da Guarda (ASPIG) destaca um erro político que foi a extinção da Brigada de Trânsito, cometido na alteração da lei orgânica de 2008.

José Alho espera que Newto n Parreira corrija esse erro, e volte a dar à GNR uma verdadeira capacidade para fiscalizar o trânsito em Portugal.  

Audios em: http://www.rr.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=92&did=137593

 

Sete mortos num dia em três acidentes de viação

 

- Despiste no Algarve vitima três jovens amigos.

- Três idosos da mesma família morrem em colisão na Batalha.

- Outro acidente grave ocorreu, provocando a morte a uma pessoa, despistou-se na EN9, na povoação de Igreja Nova, no concelho de Mafra.

Sete pessoas morreram em três acidentes de viação, ultrapassando num único dia o total de cinco vítimas mortais registado nos quatro dias da recente "Operação Ano Novo" da GNR.

http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1758411&page=-1

 

Primeira semana do ano regista 17 vítimas

 

Na primeira semana deste ano, os acidentes de viação registados pela PSP e pela GNR causaram 17 vítimas mortais, 40 feridos graves e 678 ligeiros, revela a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, que ainda só tem disponíveis os dados até dia 7.

O maior número de vítimas mortais (quatro) ocorreu no distrito de Lisboa e o maior número de feridos graves (dez) registou-se no Porto.

Durante todo o ano de 2010 morreram na estrada 747 pessoas, 2579 ficaram gravemente feridas e 42 231 sofreram ferimentos ligeiros. http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1758406

 

Estradas de Portugal subscreve a Carta Europeia de Segurança Rodoviária

 

Esta é uma iniciativa da Comissão Europeia que conta já com mais de 1900 entidades de toda a Europa que se comprometem promover acções de segurança rodoviária e partilhar conhecimento e experiências de boas práticas no campo de segurança rodoviária.

O compromisso da EP consiste na realização do seu Plano de Segurança Rodoviária tendo definido objectivos para três anos, contribuindo assim para o objectivo definido pela Direcção Geral de Energia e Transportes da Comissão Europeia, de reduzir para metade o número vitimas mortais nas estradas europeias.

Carta Europeia de Segurança Rodoviária

www.erscharter.eu/pt

 

 

Exmo. Srº Ministro Da Administração Interna Rui Pereira

 

Os abaixo-assinados vêm pelo presente questionar Vossa Excª, relativamente, ao serviço prestado pelo Presidente da Autoridade Nacional, o Srº Paulo Marques Augusto, relativamente a questão da Segurança Rodoviária.

 

Relativamente aos últimos 2 anos, os acidentes rodoviários tem vindo aumentar, bem como o número de mortos e feridos, não a diminuir, como faz crer o Srº Paulo Marques, senão veja-mos:

Os dados fornecidos pela ANSR em 2009 e 2010, relativamente ao número de mortes nas estradas portuguesas, foram em média de 700, mas não são reais, nunca coincidiram com os da GNR e PSP, muito menos com o Instituto de Medicina Legal.

Nos últimos 2 anos foram feitas em média mais de 1100 Autopsias resultantes de mortes em acidentes de viação, relembro que esses dados do IML, foram já entregues a todos os partidos políticos na Assembleia da Republica.

O Srº Paulo Marques teve conhecimento, desculpou-se dizendo que as mortes resultantes de tractores agrícolas não contam como acidentes rodoviários, mas sim como acidente de trabalho, mesmo essas, nunca passaram das dezenas, com um aumento significativo no último ano.

Nunca foram divulgadas as mortes a 30 dias após os acidentes em 2010, que ocorrem a caminho ou no Hospital, sendo já obrigado a enviar esses dados à União Europeia.

O importante era colocar o número de mortes nas setecentas, não divulgar os reais, que serão cerca de 1000, tendo em vista que nos meses de Janeiro e Fevereiro de 2010, o aumento foi de 35% de mortes, que ocorreram fora do local do acidente.

O Srº Paulo Marques, esta a enganar os portugueses, mas a sua preocupação será de manter o seu lugar de presidente da ANSR, brincando com os sentimentos das famílias que perderam os seus prezados queridos, fazendo parecer que são apenas números estatísticos, desculpando-se com situações ridículas nos órgãos de comunicação, estas já foram lidas:

A)- Desculpou-se com situações climatéricas, essas sempre existiram.

B)- Desculpou-se com a situação parque automóvel envelhecida, essa menos real, pois tem vindo a melhoram a grande escala, até porque a nossa frota, esta nas melhores da Europa.

C)- Desculpou-se com as infa-estruturas rodoviárias, segundo estudos, somos na Europa o País com mais Auto-estradas por metro quadrado.

D)- Desculpou-se com o excesso de álcool nos jovens, estudos feitos pela universidade católica, o consumo de álcool nos jovens diminuiu nos últimos anos.

F)- Desculpou-se com o aumento de velocidade dos condutores, mentira, tendo em conta que o maior aumento de acidentes e mortes, foram na periferia das cidades, onde se praticam velocidades inferiores.

O Srº Paulo Marques, sabe muito bem qual o motivo desta tragédia, sabe quem mais travou este flagelo cerca de 30 anos, com resultados muito positivos até 2008.

Exmo. Srº Ministro Da Administração Interna Drº Rui Pereira, perante estes factos apresentados, pedem que coloque o lugar de presidente da ANSR, a disponibilidade para quem consiga fazer mais e melhor, em prol da nação.

Subscrevem esta petição,

Os signatários

http://www.peticaopublica.com/?pi=P2011N5559

 

 

O que é estranho nem é a trafulhice, que é endémica ou genética.

Estranho é não ter sido ainda reconhecido que este é um problema de saúde pública.

 

"A origem da mentira está na imagem idealizada que temos de nós próprios e que desejamos impor aos outros." Anais Nin

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Oficial de mecânica às 23:45 | link do post | comentar