Mortes nas estradas em período de Natal...

- Mortes na estrada em período de Natal, segundo as estatísticas oficiais da GNR falam em oito mortos, mas três pessoas faleceram em hospitais *

 

Representa mais do dobro das vítimas mortais registadas no mesmo período de 2009, apesar de ter havido “menos acidentes” *

 

A profanada diminuição de acidentes é uma contabilidade enganosa, isto porque, nesta contabilidade, * apenas ficam registados os acidentes em que há intervenção das autoridades e não os representados pela Declaração Amigável de Acidente Automóvel (DAAA).

Apesar da velocidade excessiva, do uso de telemóvel durante a condução e das manobras perigosas serem em grande parte apontadas como as principais causas para a ocorrência dos acidentes, não deve ser negligenciado o factor da má observação do cenário na estrada como um elemento muito importante para o combate deste flagelo. Este factor contribui como potencial agravante para a ocorrência de um acidente e está associado tanto a peões como a condutores.

 

A “má” visibilidade, a falta de distâncias mínimas de segurança, defeitos na infra-estrutura ou deficiente sinalização, levam também a tempos de reacção muito deficientes para responder a um qualquer incidente.

 

Falta criar um sistema de certificação e auditorias de segurança nas estradas.

 

Esta é uma área pouco debatida e pouco conhecida da maioria dos intervenientes no meio rodoviário.

Pelo que, a questão da observação do “cenário” rodoviário, raramente é tido em conta pelas autoridades presentes no local.

Esperemos que o Decreto-Lei n.º 138/2010 de 28 de Dezembro que vem estabelecer o regime jurídico dos procedimentos de avaliação de impacto na segurança rodoviária, acrescente algo nesse sentido.

F.Brás

 

Discurso Directo - “Estratégia de segurança rodoviária é um fiasco” Manuel João Ramos, Presidente da Associação dos Cidadãos Auto-Mobilizados reage ao aumento de mortes na estrada.

 

Correio da Manhã

– O número de mortes na estrada neste Natal superou o de 2009. O que continua a falhar?

 

Manuel João Ramos

– O que falha é a reestruturação da GNR, a extinção da BT. Antigamente diziam que estavam 2200 militares na estrada e eles estavam lá, mas agora a fiscalização falha, não sabemos bem por onde andam

– E de quem é a culpa?

– Só o nosso ministro da Administração Interna e os comandos é que acham que isto é benéfico. E prevejo que o futuro não seja de grandes alterações. Este é um ministro esgotado e já houve quem pedisse a demissão dele.

As campanhas de sensibilização também parecem não surtir muito efeito.

– Gasta-se muito dinheiro com campanhas, que não têm qualquer efeito prático. São mal feitas, são muito genéricas e não atacam comportamentos específicos. E também não há muita publicidade.

– Os comportamentos dos automobilistas têm melhorado?

– Nos últimos anos não houve grande alteração de comportamentos. Continua a conduzir-se mal em Portugal, existe muita irresponsabilidade ao volante. A única coisa que tem melhorado são os equipamentos de segurança nos carros, mas isso temos é de agradecer aos fabricantes alemães e suecos, não às autoridades ou aos condutores portugueses.

– Como interpreta o aumento do número de mortos nas estradas?

– Acho que a estratégia da segurança rodoviária é um completo fiasco. E por vezes saem números a público que em nada reflectem a verdade, que servem apenas para enganar os portugueses. Parece que a Associação Nacional de Segurança Rodoviária é, por vezes, uma agência de comunicação do Governo, e que nós vivemos num mundo de ficção. Vêm muitas vezes com a conversa de que tudo está a melhorar, mas isso não passa de propaganda.

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/portugal/estrategia-de-seguranca-rodoviaria-e-um-fiasco

 

Mortes na estrada acima das de 2009.

As 20 mortes contabilizadas na semana de 16 a 21 de Dezembro elevam o total de óbitos desde o início do ano para 725, mais cinco do que um ano antes. Na semana em questão registaram-se ainda 51 feridos graves, o que faz o total deste ano ascender a 2.528, menos 20 do que em igual período de 2009 mas mais sete do que em 2008. Os 41.119 feridos ligeiros traduzem uma redução de 1.397 face a 2009 mas uma subida de 887 em relação a 2008. http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=13&id_news=485232

 

Trânsito/Natal: 25 De Dezembro de 2010.

Cinco (5) mortos é o balanço dos dois (2) primeiros dias da Operação Natal da GNR, mais quatro (4) vítimas do que em igual período no ano passado… http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/11922247.html

 

Operação Natal já conta sete mortos.

O número de mortos na Operação Natal deste ano já subiu para sete (7)...

http://tsf.sapo.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=1742691

 

Vítimas mortais nas estradas duplicaram este ano apesar da diminuição de acidentes.

A GNR) contabilizou oito (8) mortos em 868 acidentes de viação nos quatro (4) dias da Operação Natal, o dobro das vítimas mortais registadas no mesmo período de 2009, apesar de ter havido menos acidentes… as infracções mais detectadas nos quatro dias da Operação Natal - entre as 00h00 de quinta-feira e a meia-noite de domingo - foram a velocidade excessiva, o uso de telemóvel durante a condução e manobras perigosas.

A Operação Natal - Ano Novo 2010/2011 da GNR está dividida em dois períodos:

O primeiro decorreu de quinta-feira a domingo

O segundo irá entrar em vigor no dia 30 de Dezembro (quinta-feira) até 2 de Janeiro (domingo)

http://publico.pt/Sociedade/vitimas-mortais-nas-estradas-duplicaram-este-ano_1472587

 

http://sic.sapo.pt/online/video/informacao/noticias-pais/2010/12/em-quatro-dias-morrreram-oito-pessoas-nas-estradas-portuguesas-o-dobro-do-ano-passado27-12-2010-1241.htm

 

* Estatísticas oficiais da GNR falam em oito (8) mortos, mas três (3) pessoas faleceram em hospitais.

 

Oficialmente, a GNR assegura que oito pessoas morreram em sequência dos 868 acidentes de viação registados durante os quatro dias da ‘Operação Natal’. O CM sabe, no entanto, que outras três pessoas que foram dadas como feridas graves no local dos acidentes vieram a falecer posteriormente.

A primeira dessas vítimas foi uma mulher que se viu envolvida numa colisão ocorrida no dia de Natal, em Alenquer. Morreu já no hospital. Pelas 05h45 do mesmo dia, na Auto-estrada do Norte, perto do Carregado, uma colisão provocou dois feridos graves e dois ligeiros. Um homem foi transportado para o Hospital de São José, em Lisboa, onde morreu. A terceira vítima mortal foi uma mulher, que faleceu no Hospital de Portalegre após um despiste em Ponte de Sor. http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/portugal/operacao-natal-acabou-com-onze-mortos

 

Operação Festas em Segurança registou quatro (4) mortos por atropelamento

A Operação Festas em Segurança da PSP já contabilizou quatro mortos por atropelamento e mais de 200 feridos, dos quais 18 com muita gravidade, de um total de 12 mortos registados até hoje nas zonas urbanas... mais um do que durante toda campanha de 2009... a PSP detectou também 517 condutores com mais de 0,5 g/l de álcool no sangue e destes 235 foram detidos por conduzirem com mais de 1,2 g/l... foram igualmente detectados perto de três mil condutores em excesso de velocidade, dos quais 200 cometeram infracções muito graves, com velocidades instantâneas superiores a 60 km/h. http://sol.sapo.pt/inicio/Sociedade/Interior.aspx?content_id=7922

 

HERNANI CARVALHO SOBRE OPERAÇÃO NATAL

http://www.youtube.com/watch?v=yciYaud2NKc

 

Revista do Ano: Acidentes em 2010

http://sic.sapo.pt/online/video/informacao/NoticiasVida/2010/12/revista-do-ano-acidentes-em-201028-12-2010-23255.htm

 

SCOT (Sistema de Contra-Ordenações de Trânsito).

A GNR (Guarda Nacional Republicana) e a PSP (Polícia de Segurança Pública) já estão a utilizar as novas funcionalidades.

http://www.i-gov.org/index.php?article=14666&visual=1

 

Decreto-Lei n.º 138/2010 de 28 de Dezembro

O presente decreto-lei estabelece o regime jurídico dos procedimentos de avaliação de impacto na segurança rodoviária, de auditorias de segurança rodoviária ao projecto de rodovias, de classificação e gestão da segurança da rede rodoviária e das inspecções de segurança rodoviária.

 

Com o objectivo de assegurar um elevado nível de segurança na utilização das infra-estruturas rodoviárias e em cumprimento da Directiva n.º 2008/96/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de Novembro, o regime que agora se cria define a obrigatoriedade da realização de avaliações de impacto, auditorias, classificações e inspecções das infra-estruturas rodoviárias e os termos em que as mesmas devem decorrer.

 

Os objectivos fixados pelo presente decreto-lei integram-se na política de segurança rodoviária prevista no Programa do XVIII Governo Constitucional.

Os procedimentos referidos aplicam-se às rodovias do território nacional que integram a rede rodoviária transeuropeia, quer se encontrem em fase de projecto, em construção ou em serviço, estando excluídos os túneis rodoviários, cujo regime jurídico é fixado em legislação própria. 

Estas avaliações desempenham um papel importante no momento de selecção de traçados, uma vez que permitem demonstrar, a nível estratégico, as implicações na segurança rodoviária das diferentes alternativas de planeamento de um projecto de infra-estruturas rodoviárias.

 

Compete ao Instituto de Infra-Estruturas Rodoviárias, I. P. (InIR, I. P.), regular e supervisionar as auditorias de segurança rodoviária.

Cabe às entidades gestoras de infra-estruturas rodoviárias assegurar, mediante as medidas adequadas, que os utentes da estrada sejam informados da existência de troços de elevada sinistralidade.

As entidades gestoras de infra-estruturas rodoviárias promovem ou realizam inspecções de segurança rodoviária nas rodovias em serviço para identificar as insuficiências em matéria de segurança rodoviária, prevenir acidentes e mitigar as suas consequências.

http://www.legislacao.org/primeira-serie/decreto-lei-n-o-138-2010-rodoviaria-seguranca-rede-infraestruturas-187123

 

"Este país anda a ser embebedado pela classe política". Medina Carreira

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Oficial de mecânica às 19:13 | link do post | comentar